Parece que foi ontem que o Tiguan foi lançado. O primeiro SUV de porte médio da Volkswagen, no entanto, vai completar 10 anos desde sua apresentação no Salão de Frankfurt. Essa primeira geração não é só longeva, mas um veículo que soube envelhecer bem. Tanto assim que ela seguirá à venda no Estados Unidos mesmo com a chegada do novo Tiguan ao mercado. No Brasil, a situação é semelhante. O Tiguan Allspace, mostrado recentemente, desembarca apenas em 2018 e, enquanto isso, o pioneiro SUV segue à venda no mercado e, desde o ano passado, com a versão 1.4 TSI.

AUTOO quis saber como anda esse Tiguan de entrada, que dispensa a tração integral e o câmbio automático de seis marchas.

Pacote completo

É um fato: se não fosse por alguns elementos um tanto datados como as saídas de ventilação circulares e as linhas do painel de instrumentos seria difícil cravar que o Tiguan já está há uma década no mercado mundial. O SUV soube assimilar várias novidades ao longo dos anos e hoje continua sendo um veículo que reúne quase tudo que se espera de um modelo dessa categoria.

Espaço interno, por exemplo, é generoso. São 144 cm de largura na frente 140 cm na traseira, além de sobrar no quesito espaço para pernas no banco traseiro. O porta-malas leva 470 litros que pode ser ampliado graças ao rebatimento do banco, que se alinha com o bagageiro e forma um imenso ‘porão de carga’.

Tecnologia também é facilmente notada. O Tiguan tem uma boa central multimídia, que fala com o Carplay e Android Auto, além de ar-condicionado de duas zonas automático. A direção, com comandos satélites, é elétrica e bem balanceada. O SUV traz ainda chave com partida por botão e teto solar panorâmico – grande parte deles, é verdade, como opcionais, que elevam o preço de R$ 128.270 (maio de 2017) para R$ 141.332 se você optar pela cor branca.

Com eles você ainda tem mesinhas retráteis para os assentos traseiros, câmera de ré, espelho retrovisor eletrocrômico, sensores de chuva e crepuscular e rodas aro 18 em vez de 17 polegadas. Proporcionalmente ao preço do modelo, é um valor pequeno pelo que ele acrescenta.

Sem saudades do 2.0

Mas, afinal, o Tiguan 1.4 anda bem? O motor TSI, de 150 cv e 25,5 kgfm de torque já meio que responde a pergunta. Apesar da tonelada e meia que pesa o SUV, ele dá conta tranquilamente da missão. Claro que não tem a disposição do irmão 2.0 turbo, mas ele compensa com um consumo baixo de combustível que faz a autonomia ser imensa, sobretudo em uso rodoviário.

Bebendo apenas gasolina, o motor roda 10,1 km/l na cidade e 11,6 km/l na estrada, valores que o computador de bordo atingiu com facilidade em nosso teste. Mérito também da transmissão de dupla embreagem e seis marchas que tomou o lugar do câmbio automático convencional do 2.0. Talvez o Tiguan peque num aspecto, o design. Embora tenha nascido sob a linguagem anterior da Volkswagen, que destacava os elementos circulares, o utilitário esportivo recebeu muito bem o facelift de 2011 quando ganhou linhas mais horizontais e retangulares. Mas é fato que ele não chama mais a atenção nas ruas.

 
 
Volkswagen Tiguan 2017
 
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
 
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
 
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
 
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
 
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
 
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
 
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
 
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
 
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
 
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
 
Volkswagen Tiguan 2017
Volkswagen Tiguan 2017
 
 

Passaporte que pesa

Anda bem, gasta pouco, é bem equipado e espaçoso e ainda moderno em vários aspectos. Temos um campeão de vendas, então? Pelo contrário. O Tiguan, mesmo com a versão 1.4, emplaca pouco, muito pouco. Em 2017, por exemplo, foram apenas 277 unidades até abril. O Q3, seu parente distante, vendeu 1.316 carros nesse período. Por falar no Audi eis aí uma das aparentes razões para que o Tiguan não seja um estouro nas vendas. O Q3, que é flex na versão 1.4, custa um pouco mais e oferece muito – além de todo o apelo de uma marca ‘premium’.

Ou seja, o Tiguan tinha que custar menos, mas isso é uma tarefa complicada para a atual geração, que é feita na Europa e paga caro para chegar aqui. Coisa que a segunda geração, fabricada no México, não terá como obstáculo – se tudo for mantido, carros mexicanos devem continuar a não pagar imposto de importação.

Portanto, se você comprou um é porque é fã do modelo, o que não deixa de ser um sinal de bom gosto. Afinal, dirigir o Tiguan é um experiência gratificante, mesmo dez anos depois.

Ficha técnica

Volkswagen Tiguan 2017 1.4 16V gasolina automático 4p
Preço R$ 128.270 (08/2017)
Categoria SUV médio
Vendas em 2017 448 unidades
Motor 4 cilindros, 1395 cm³
Potência 150 cv a 5000 rpm (gasolina)
Torque 25,5 kgfm a 1500 rpm
Dimensões Comprimento 4,427 m, largura 1,809 m, altura 1,683 m, entreeixos 2,604 m
Peso em ordem de marcha 1609 kg
Tanque de combustível 64 litros
Porta-malas 470 litros
Veja ficha completa

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |