A princípio você pode achar que este é somente mais um carro chinês que chega ao mercado apostando na receita do bom custo-benefício, mas vale a pena a gente gastar algum tempo para contar um pouco da história do JAC T40 e explicar porque ele é visto com tanto carinho pela marca, sobretudo pelos importadores brasileiros.

A história do modelo começa em 2011, na mesma época em que a JAC começava a operar no Brasil, e caberia ao T40 ser o primeiro modelo fabricado no país pela JAC. Pensado inicialmente para ser um hatch com foco no bom espaço interno e amplo porta-malas, características valorizadas pelos brasileiros na escolha do carro, o projeto A30 como era chamado à época inclusive contou com um elevado investimento dos importadores brasileiros para que ele saísse de acordo com os desejos de Sergio Habib, presidente da JAC Motors do Brasil, que se envolveu pessoalmente na concepção e aprovação do modelo. 

O tempo foi passando e na medida em que os SUVs foram caindo cada vez mais no gosto dos consumidores ao redor do planeta, a equipe brasileira capitaneada por Habib resolveu converter o projeto A30 em um SUV compacto, realizando leves alterações no design como o reposicionamento do capô e elevando a altura do modelo em relação ao solo, que passou a atingir 18 cm. Estava pronto o JAC T40 e as primeiras unidades de teste começaram a rodar em 2014 na China. 

Os importadores da JAC no Brasil só não contavam com as reviravoltas promovidas pelo Inovar-Auto e a imposição de cotas e sobretaxa de importação, medidas que fizeram as vendas da JAC despencarem por aqui, o que mexeu também com os planos da fábrica brasileira. Sem poder esperar, a JAC acabou lançando o modelo antes na China em agosto de 2015 onde recebeu o nome de S2. 

Só agora, exatos dois anos após o lançamento chinês, o JAC T40 chega ao mercado brasileiro ainda importado da China, mas com a promessa de inaugurar a fábrica da JAC no Brasil prevista para ficar pronta dentro de 18 meses. A aposta no T40 é grande, já que a marca espera comercializar 300 unidades ao mês do modelo, que ganhará o reforço da versão automática CVT a partir de 2018.

Um pouco mais sobre o projeto

Segundo explicou Sergio Habib, a premissa para o projeto do hoje JAC T40 é que ele se posicionasse como o maior modelo dentro de seu segmento. “Eu queria um carro com bom espaço interno, bom porta-malas e que transmitisse uma sensação de porte maior em relação aos concorrentes. Um desafio para o projeto foi que nós pegamos a plataforma para modelos compactos da JAC (segmento B), mas não pudemos mexer no entre-eixos, já que uma mudança desse tipo aumentaria muito os custos do projeto. Logo, a gente foi mexendo com a relação entre o comprimento e a largura do carro para conseguir o efeito que eu queria para ele”, explica o executivo. 

E, de fato, o JAC T40 é um dos modelos com o maior porte dentro da categoria, sobretudo levando em conta o comprimento. O recém-lançado JAC conta com 4,13 m de comprimento, 1,75 m de largura e 1,56 m de altura. Tomando como referência alguns rivais diretos, sejam os “aventureiros” ou SUVs compactos de fato, o modelo fica bem a frente de Hyundai HB20X (3,94 m), Renault Sandero Stepway (4,06 m) e até mesmo supera por pouco o Peugeot 2008 (4,15 m) quando levamos em conta o tamanho dos carros de uma ponta a outra dos para-choques.  

Ponto positivo para a equipe de engenharia da JAC e os desenhistas italianos do JAC Italy Design Center vai para o bom aproveitamento de espaço da cabine. Em nosso contato com o modelo, o JAC T40 surpreendeu pelo bom espaço para pernas mesmo no banco traseiro, o que credencia o modelo a transportar 4 adultos com conforto. Curioso é que, mesmo com a largura razoável para a categoria, a cabine mostrou-se um pouco estreita, o que limita colocar no banco traseiro um terceiro ocupante adulto.

Outro traço peculiar do T40 é que, em nome do design mais trabalhado, a área envidraçada do modelo é um pouco menor do que os concorrentes entregam, algo que pode agradar alguns consumidores e desagradar a outros, especialmente as mulheres. A visibilidade, contudo, não se mostrou prejudicada quando você está ao volante do JAC.

 
 
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
JAC T40 2018
JAC T40 2018
 
 

Chinês evoluído

Continuando no interior do JAC T40, a concepção moderna do crossover mostra sinais claros de evolução dos chineses. A pitada brasileira na receita chinesa fez bem ao modelo, que se destaca por oferecer até mesmo revestimento de couro no painel. Volante e os bancos com formato bem anatômico, ambos escolhidos por Habib e sua turma, são pontos positivos do modelo. A bordo do T40 nota-se uma melhora construtiva e de acabamento no chinês que ganhará cidadania brasileira em breve. A única ressalva vai para a falta de um isolamente acústico melhor, já que em algumas acelerações o ruído do motor invadia intensamente a cabine. 

Na parte mecânica, o JAC T40 compartilha o mesmo conjunto mecânico do primo T5. Até o momento oferecido somente em versão única, o 1.5 16V é flex, traz comando de válvulas variável e foco na economia de combustível. Por enquanto ele só trabalha em conjunto com o câmbio manual de 5 marchas aguardando a chegada da caixa automática CVT, uma demanda cada vez maior na categoria.

Apesar da JAC declarar animadores 9,8 segundos na aceleração de 0 a 100 km/h e 191 km/h de velocidade máxima, ao volante do JAC T40 a sensação não foi tão feliz assim. Para o uso urbano e na maior parte do tempo sozinho ou com duas pessoas, o modelo vai bem. Mas com 4 adultos e carregado, viajando por rodovias com aclives, você verá que motor 1.5 sofre um pouco para dar vitalidade ao T40. Nessas situações você terá que trabalhar bem com as 5 marchas do câmbio. Se na hora de acelerar ele não empolga, ao menos você precisará parar pouco no posto de combustível. Mesmo carregado e com etanol, foi fácil atingir a marca de 10 km/l em uso rodoviário. Os números oficiais apontam para médias de 7,7 km/l na cidade e 11,4 km/l na estrada com etanol e, com gasolina, os números sobem para 8,5 km/l e 12,5 km/l, respectivamente. 

Se o JAC T40 mostra que os chineses estão trilhando o caminho certo, a pouca experiência deles na arte de fazer carros é vista em questões simples de calibração. A direção, por exemplo, é imprecisa no T40. Falta mais rapidez nas respostas e uma melhor comunicação com o solo. O peso leve demais do volante também não transparece uma sensação muito agradável, apesar de ajudar bem nas manobras. Na unidade avaliada, outro ponto que nos deixou curiosos foi uma oscilação frequente do motor trabalhando em marcha-lenta.

O JAC T40 não deixa de ganhar pontos por trazer como item de série os controles de tração e estabilidade, recursos que a maioria dos concorrentes oferece sequer como opcional. O pacote de segurança também traz consigo o assistente de partida em rampa (HSA), recurso muito útil em um modelo manual como é o caso. A suspensão do JAC, por sua vez, apresentou um funcionamento muito bom e não deixando nada a desejar em relação aos rivais diretos. A presença de freio a disco nas quatro rodas, o que é realçado pelas pinças na cor vermelha, também é algo que deve ser valorizado, bem como os 6 anos de garantia que a JAC concede ao T40. 

Em sua configuração de entrada “Pack 2”, que chega às lojas em novembro por R$ 56.990, o T40 ao menos dá um banho na concorrência quando o assunto são os equipamentos de fábrica, algo que já é esperado nos carros chineses. Bem mais barato que Hyundai HB20X e companhia, o chinês traz por esse valor tudo o que foi citado até agora mais as luzes diurnas de LED, indicador de troca de marchas, abertura interna da tampa de combustível, trio elétrico, sensor de estacionamento traseiro, alarme, controlador de velocidade de cruzeiro, acendimento automático dos faróis, direção elétrica, ar-condicionado, comandos de áudio no volante e rodas de liga leve aro 16”. O banco traseiro também traz o sistema de fixação Isofix para cadeirinhas.

A partir deste mês nas lojas o T40 estará nas lojas na versão mais completa, chamada de “Pack 3”, como a avaliada pelo AUTOO, por R$ 58.990. Ela acrescenta recursos como a central multimídia com câmera de ré e a peculiar JAC Connect Front Camera, uma câmera posicionada no retrovisor interno que filma tudo o que ocorre na frente do carro. Usada em conjunto com o aplicativo JAC View, que poderá ser baixado gratuitamente, é possível gerenciar os vídeos (com áudio ou não, a escolha do proprietário) criados nos deslocamentos com o carro. Além do lado recreativo, a JAC está em negociação com algumas seguradoras para a que a câmera frontal possa colaborar para baratear o preço do seguro. 

Apesar de melhorar o aspecto geral do painel e oferecer uma boa tela de 8”, a central multimídia não oferece navegador ou sequer suporte para o Apple CarPlay, Android Auto ou sistemas de espelhamento de smartphones, portanto o equipamento carece de mais funcionalidade prática. Não fosse pela câmera de ré, você sequer precisaria de uma tela já que o equipamentos permite apenas o controle das mídias (USB, Bluetooth, etc.) além do rádio. Questionado sobre o assunto, o presidente da JAC adianta que a central mutimídia ganhará recursos como o CarPlay e o Android Auto no futuro próximo, quando a próxima geração do hardware estrear. 

O único opcional do JAC, seja para o "Pack 2" ou o "Pack 3", está na película colorida para o teto. Quem quiser o JAC T40 com teto contrastante terá que investir mais R$ 1.990, sendo que a película é prata para o T40 com carroceria vermelha ou preta para as demais tonalidades do carro. 

Conclusão

O JAC T40 pavimenta o caminho para as futuras gerações de carros chineses, mesmo os fabricados no Brasil, que deverão ganhar cada vez mais qualidade na medida em que os asiáticos passarem a dominar o expertiso no processo de desenvolvimento e fabricação de automóveis. O crossover chinês tem um pacote interessante, mas suas pequenas falhas como as respostas imprecisas da direção e o câmbio pouco refinado ainda fragilizam sua escolha como opção de compra frente à modelos nacionais de marcas tradicionais. O T40, contudo, já é um chinês que você pode comprar com poucas chances de se arrepender depois. Fica claro que, muito em breve, os asiáticos começarão a incomodar a concorrência. 

Ficha técnica

JAC T40 2018 Pack 3 1.5 16V flex manual 4p
Preço R$ 58.990 (07/2017)
Categoria SUV compacto
Motor 4 cilindros, 1499 cm³
Potência 125 cv a 6000 rpm (gasolina)
Torque 15,5 kgfm a 4000 rpm
Dimensões Comprimento 4,135 m, largura 1,75 m, altura 1,568 m, entreeixos 2,49 m
Peso em ordem de marcha 1155 kg
Tanque de combustível 42 litros
Porta-malas 450 litros
Veja ficha completa

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |