A Hyundai entrou numa fria literalmente ao lançar uma versão especial do Creta para o público PCD. Batizada de Attitude e com transmissão automática e motor 1.6 16V, a versão tinha preço sugerido de R$ 69.990 mas que poderia chegar a R$ 54.655 com as isenções de IPI e ICMS.

O resultado já sabemos desde o final de agosto: o Creta para PCD teve tantos pedidos que a Hyundai optou por suspender sua venda. A justificativa da montadora é poder dar conta dos pedidos já recebidos antes de voltar a aceitar novos clientes, o que segue sem previsão, como confirmou junto à empresa o AUTOO.

Com parte da produção destinada a suprir esses pedidos, restou a curiosidade: afinal quantos Cretas são da versão para PCD? Tivemos acesso aos emplacamentos de outubro do modelo e surpresa: o Creta Attitude 1.6 automático 2018 foi a versão mais vendida do SUV compacto.

Nada menos que 1.225 unidades foram emplacadas no mês passado, mais até do que a versão 2.0 Prestige, até então a mais ‘popular’ do modelo (1.138 exemplares vendidos). Um sinal claro de como o mercado de veículos para pessoas com deficiência cresceu nos últimos anos.

Produção no limite

A grande demanda pelo Creta PCD poderia ser um “problema bom” para a Hyundai caso houvesse espaço para produzir tantos carros em sua fábrica de Piracicaba (SP). Mas a unidade já está no limite desde 2013 quando a família HB20 passou a sair da linha de montagem e teve um sucesso prematuro.

Para acomodar o Creta e entrar no segmento de utilitários esportivos compactos, o que mais cresce no Brasil, a Hyundai teve que tirar espaço do HB20 e do HB20S que andam vendendo menos do que antes.

Por enquanto, essa situação não tem perspectiva de grandes melhoras. Mesmo após atender todos os pedidos pendentes, a Hyundai certamente cadenciará a produção da versão PCD do Creta para poder atender a todos os seus clientes. O jeito é esperar e torcer.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/