Entre muitas idas e vindas, sempre desmentindo a cada vez que alguém bancava a chegada ao Brasil do Creta (ou ix25 como é conhecido em alguns mercados), a Hyundai finalmente decidiu aceitar o inevitável e apresentou o Creta nacional em novembro durante o Salão de São Paulo. Agora chegou a vez do AUTOO ter a oportunidade de avaliar o mais novo SUV compacto produzido no Brasil, que chega com a missão de posicionar a Hyundai entre as três primeiras posições do ranking de vendas da categoria mais importante do mercado no momento.

Segundo a própria Hyundai planeja para o início das vendas do Creta, a tendência é que as versões com motor 2.0 16V representem 60% das vendas do modelo e, dentro desse universo, a configuração mais cara do Creta, a Prestige, deverá ser a escolha da maior parte dos consumidores. Curiosamente, no mesmo hotel onde a Hyundai apresentava o modelo um dos hóspedes chegou a perguntar “quanto vai custar o 2.0? Ah, porque esse carro tem que ser 2.0, né, com motor 1.6 fica muito fraquinho”. Fica aí a prova de que a estratégia da Hyundai parece que está mesmo pelo caminho correto.

Julgando apenas pela lista de equipamentos, é bem possível que o Creta Prestige 2.0 torne-se o mais requisitado pelos consumidores ao ser a versão que reúne alguns dos itens mais desejados pelos clientes do segmento, como o revestimento interno de couro e a central multimídia com navegador, por exemplo. E foi o Creta Prestige que optamos por avaliar em nosso primeiro contato com o SUV.

Por fora, é curioso como as proporções da traseira soam muito mais harmônicas e agradáveis ao olhar do que a dianteira do Creta. Visto de frente, o para-choque exclusivo do modelo brasileiro em conjunto com a grade dianteira pronunciada tem a função de deixar o Creta mais agressivo. A idea é realçada pelo formato dos faróis, que contam com iluminação diurna por LED na versão avaliada e as rodas de liga leve aro 17” mesclando acabamento diamantado com cinza escuro. Visto de trás, o Creta parece um carro robusto, sem ser exagerado, oferecendo um conjunto estético simples e melhor resolvido.

Com 4,27 m de comprimento e 1,78 m de largura, o Creta está na média do segmento. Seu espaço interno é muito bom, próximo ao do Honda HR-V, porém sem a mesma versatilidade do líder do segmento. Aliado a um bom porta-malas de 431 litros (437 l no Honda), o Creta tem um bom apelo familiar. Fácil de manobrar e conveniente para o uso urbano, modelos de altura em relação ao solo ligeiramente superior em relação a hatches e sedãs médios, como é o caso do Creta e os companheiros de classe, encaram buracos e valetas com mais desenvoltura, atributos que ajudam a explicar porque os SUVs compactos estão explodindo em vendas.

Assim como ocorre na linha HB20, a boa qualidade de montagem e a ergonomia bem arquitetada são traços comuns ao Creta. O formato mais quadrado da carroceria favorece o espaço para a cabeça e passageiros que ultrapassam os 1,80 m de altura não se sentem claustrofóbicos.

No Creta Prestige, a Hyundai focou no tom marrom para a cabine, como partes do acabamento do painel e para o revestimento de couro dos bancos. Visualmente não há do que reclamar da solução, que ao menos sai do marasmo do couro preto. Segundo a equipe da Hyundai, a cor já foi testada em outros modelos da marca, como o HB20X, e agradou. Por outro lado, a textura dos plásticos usados poderia ser um pouco mais nobre para um carro de R$ 100.000 como é o caso. Até mesmo a tela do ar-condicionado digital tem um aspecto de fragilidade. É por isso que falta um certo brilho ao mais novo SUV da Hyundai. A sensação é que, apesar de ser recém-lançado, sua cabine parece que já clama por uma nova geração.

Com a partida por botão acionada, um dos requintes do Creta Prestige, a novidade ostenta o rodar sólido, suave e confortável que encontramos nos modelos da marca. Uma característica dos modelos sul-coreanos e japoneses, é quase possível perceber a qualidade construtiva de seus carros, não é por acaso que a Hyundai confere ao Creta 5 anos de garantia.

Durante nossa avaliação, só nos chamou a atenção o pedal de freio um pouco com respostas um demoradas demais, algo que talvez pudesse ser uma característica da unidade avaliada, uma das primeiras a sair da fábrica da Hyundai em Piracicaba, no interior de São Paulo. A direção com assistência elétrica progressiva se saiu muito bem, assim como a suspensão, não deixando a carroceria do Creta inclinar em demasia e estável nas curvas. Mesmo com rodas de liga leve aro 17”, os problemas do piso são bem filtrados antes de chegar aos passageiros.

 
 
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
 

No geral, o Creta Prestige 2.0 é um carro que cativa muito mais pela parte mecânica do que o interior ou demais atributos. Essa, seguramente, será uma das características que a Hyundai vai usar como diferencial para o modelo, em especial considerando o Honda HR-V com seu motor 1.8 de 140 cv com etanol e o Jeep Renegade Limited na mesma faixa de potência, ambos perdendo de longe para os 166 cv do Creta 2.0. A vantagem é ainda maior se considerarmos o Nissan Kicks, que disponibiliza somente o 1.6 de 114 cv, algo que foi motivo de críticas por parte de alguns internautas. A Hyundai pode ter visto aí uma excelente brecha para oferecer o motor mais potente no segmento e atrair aqueles que não abrem mão de números mais generosos quando o assunto é potência e torque.

Moderno e bem eficiente, com destaque para a construção com bloco e cabeçote de alumínio e a presença do comando de válvulas variável tanto para admissão quanto escape, o Creta 2.0 oferece bom desempenho e não vai mal quando o assunto é consumo. Equipado com start-stop, sistema que desliga o motor quando o carro encontra-se parado, o Hyundai entrega parciais de 10 km/l na cidade e 11,4 km/l na estrada, ambas com gasolina. O Honda HR-V EXL atinge 10,5 e 12,1 km/l, respectivamente. O Jeep Renegade Limited, que passou a contar com start-stop a partir da linha 2017, ainda não vai bem nesse aspecto e mesmo contando com um motor de menor deslocamento que o Creta não faz melhor do que 9,5 km/l na cidade e 10,9 km/l na estrada.

Tabelado em R$ 99.490, o Creta Prestige foi atrás de equipamentos como os bancos com ventilação, airbags de cortina, monitoramento da pressão dos pneus, chave presencial e sensor de estacionamento para se diferenciar do Honda HR-V EXL de R$ 101.400. O Jeep Renegade Limited, que está nas lojas por R$ 97.990, faz bem mais bonito que o Honda em termos de equipamentos e traz a mais, em relação ao Creta Prestige, as rodas de liga leve aro 18” e os faróis de xênon. É inadmissível, nesse contexto, que o HR-V topo de linha custe bem mais e sequer ofereça o airbag de cortina se série, um importante recurso de segurança. 

Com um pós-venda competitivo, além dos 5 anos de garantia o Creta Prestige também apresenta um custo de revisões até 60.000 km competitivo em relação aos seus dois principais concorrentes. No período, a rede Hyundai cobra R$ 3.114 seguindo o plano de manutenção, valor que atinge R$ 3.772 no Renegade. A Honda, infelizmente, não divulga o plano de manutenção para o HR-V.

Consderando o volume de vendas do HR-V, a Hyundai espera colocar nas ruas algo em torno de 4.000 unidades/mês do Creta, quantia que nos parece bem factível considerando o conjunto do modelo. Se não traz nada de surpreendente para a categoria, o Creta Prestige é um modelo que se destaca pelo equilíbrio. Anda bem, chega a ser até mais econômico que alguns oponentes com motores menores e oferece espaço interno condizente com a categoria. Se conseguir se beneficiar da mesma reputação que a família HB20 conquistou, o Creta tem tudo para ser bem-sucedido. 

Ficha técnica

Hyundai Creta 2017 Prestige 2.0 16V flex automático 4p
Preço R$ NaN (11/2017)
Categoria SUV compacto
Vendas em 2017 32.366 unidades
Motor 4 cilindros, 1999 cm³
Potência 156 cv a 6200 rpm (gasolina)
Torque 19,1 kgfm a 4700 rpm
Dimensões Comprimento 4,27 m, largura 1,78 m, altura 1,635 m, entreeixos 2,59 m
Peso em ordem de marcha 1399 kg
Tanque de combustível 55 litros
Porta-malas 431 litros
Veja ficha completa

Ficha técnica

Chevrolet Tracker 2017 LTZ 1.4 16V flex automático 4p
Preço R$ NaN (10/2017)
Categoria SUV compacto
Vendas em 2017 8.874 unidades
Motor 4 cilindros, 1399 cm³
Potência 150 cv a 5600 rpm (gasolina)
Torque 24 kgfm a 2100 rpm
Dimensões Comprimento 4,258 m, largura 1,776 m, altura 1,678 m, entreeixos 2,555 m
Peso em ordem de marcha 1413 kg
Tanque de combustível 53 litros
Porta-malas 306 litros
Veja ficha completa

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |