Lançado em 1980, portanto há 37 anos, o Gol é de longe o automóvel mais produzido na história da indústria automobilística brasileira. É quase o dobro do segundo colocado, o Uno, da Fiat. E, nessa quarta-feira (05), o veículo da Volkswagen chegou a marca de 8 milhões de unidades fabricadas.

O exemplar, um Gol Track na cor branca, saiu da linha de montagem da fábrica de Taubaté (SP), onde o modelo ‘nasceu’ e que agora passa a produzi-lo com exclusividade – o modelo também era feito em São Bernardo do Campo, onde abriu espaço para a chegada do novo Polo.

É um feito e tanto o do Gol, mas ele poderia ter chegado a esse volume bem antes. É que desde 2013 o carro mais famoso da Volks no país vende cada vez menos – no ano passado foram apenas 60 mil unidades contra 300 mil em 2009. Este ano, o modelo ensaia uma leve recuperação, mas já não é mais sombra do que foi no passado, quando liderou o ranking de vendas por 27 anos ininterruptos.

De certa forma, a “culpa” não foi exatamente do carro e sim da mudança do perfil do consumidor brasileiro. Se antes valores como robustez, valor de revenda e manutenção barata eram prioridade para os clientes hoje busca-se mais que isso: é preciso ter um bom design, espaço interno e equipamentos modernos.

Não que o Gol não tenha parte disso, a geração atual enfim rompeu com o projeto original que perdurou até o modelo “G4”, mas a imagem de carro simplório colou de tal forma que o Gol não conseguiu mais se livrar do estigma de veículo pelado.

Não é à toa que a Volkswagen decidiu relançar o Polo no Brasil, no final deste ano. A nova geração, construída sobre a plataforma MQB-A0, é moderna e enxuta para fabricar, mas o modelo ocupará uma faixa de mercado logo abaixo do Golf, vitimando mesmo o Fox, que deve sair de cena no futuro.

Se o Polo não vai tirar mercado do Gol por que o futuro do hatch está indefinido? Pela simples razão que há modelos de sobra na linha da Volkswagen. David Powels, presidente da montadora no Brasil, já reconheceu que o Gol irá para a base do portfólio, ou seja, custará menos que o up!, um modelo menor, porém, bem mais avançado e global.

 
 
O primeiro Gol, de 1980: motor refrigerado a ar e recepção fria
 
O primeiro Gol, de 1980: motor refrigerado a ar e recepção fria
O primeiro Gol, de 1980: motor refrigerado a ar e recepção fria
O Gol turbo: muito torque, mas confiabilidade baixa
 
O Gol turbo: muito torque, mas confiabilidade baixa
O Gol turbo: muito torque, mas confiabilidade baixa
Gol G4, talvez o pior da sua história: painel de Kombi e visual pouco inspirado
 
Gol G4, talvez o pior da sua história: painel de Kombi e visual pouco inspirado
Gol G4, talvez o pior da sua história: painel de Kombi e visual pouco inspirado
Da plataforma original, o Gol G3 foi um dos mais bem-sucedidos
 
Da plataforma original, o Gol G3 foi um dos mais bem-sucedidos
Da plataforma original, o Gol G3 foi um dos mais bem-sucedidos
Gol GT, de 1986: no ano seguinte, ele assumiria a liderança do mercado
 
Gol GT, de 1986: no ano seguinte, ele assumiria a liderança do mercado
Gol GT, de 1986: no ano seguinte, ele assumiria a liderança do mercado
Gol GTS, a partir de 1987, virou referência de versão esportiva
 
Gol GTS, a partir de 1987, virou referência de versão esportiva
Gol GTS, a partir de 1987, virou referência de versão esportiva
O Gol atual: projeto baseado na plataforma do Polo melhorou o modelo em vários sentidos
 
O Gol atual: projeto baseado na plataforma do Polo melhorou o modelo em vários sentidos
O Gol atual: projeto baseado na plataforma do Polo melhorou o modelo em vários sentidos
 
 

5º mais vendido em 2017

Caberá ao Gol a tarefa de capturar uma parcela do público que busca um carro mais racional e em conta. Para não tomar o caminho do Clio (que morreu) e do Palio, seu arquirrival histórico (e colocado de canto após a chegada do Argo), a VW deverá promover um upgrade no Gol em breve, mas o resultado disso ainda é um mistério. Ou o público resolve voltar a comprar carros baratos ou esse segmento continuará apenas marginal.

Por enquanto, o Gol segue com uma procura respeitável para o momento. No primeiro semestre, ele teve uma média de 6 mil emplacamentos por mês e a 5ª posição no ranking de vendas, longe do seu passado glorioso, é verdade, mas uma prova que há interessados no hatch compacto.

Uma coisa, no entanto, é certa: o próximo milhão, se vier, vai demorar bem mais tempo.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/