A General Motors e a PSA, holding que controla a Peugeot e a Citroën, confirmaram nesta segunda-feira (06) um negócio de cerca de 2,3 bilhões de dólares envolvendo as montadoras Opel e Vauxhall. As duas marcas europeias serão assumidas pelo grupo francês que passará a ser o segundo maior do continente atrás apenas da Volkswagen.

A venda da Opel e de seu braço britânico Vauxhall já era cogitada nas últimas semanas, conforme antecipou o AUTOO. A General Motors colecionava prejuízos seguidos na operação europeia embora exista a expectativa de que as duas marcas tenham ficado no azul em 2016.

Segundo o presidente da GM, Dan Ammann, “o mercado europeu é hoje tão diferente do resto do mundo que apenas 20% dos modelos dividem plataformas com outras regiões onde a GM atua”. Em outras palavras, a Europa não é lucrativa para o grupo, que vê melhores perspectivas em mercados emergentes e no próprio Estados Unidos.

Com a venda, a General Motors conseguirá dar um retorno melhor aos acionistas e valorizar a própria empresa a fim de aumentar seus investimentos no futuro. E isso não significa que ela deixará deatuar na Europa afinal a Chevrolet tem vendido seus modelos na região há alguns anos.

Opel mundial

Do lado da PSA, a compra é um negócio com uma perspectiva um tanto nebulosa. Existem alguns aspectos positivos como o fato de as quatro marcas poderem compartilhar componentes, projetos e mesmo unificar departamentos, mas o fantasma do desemprego assusta.

Juntas, Opel, Vauxhall e a PSA têm 19 fábricas espalhadas pela Europa e algumas certamente serão fechadas. As duas primeiras possuem cerca de 35 mil funcionários espalhados por seis países – 19 mil deles apenas na Alemanha.

Carlos Tavares, CEO da PSA, declarou que está seguro que a produtividade das marcas crescerá: “Estamos orgulhos de unir forças com a Opel/Vauxhall e totalmente comprometidos com o retorno do crescimento dessas marcas”.

Uma das saídas para isso é a boa imagem que a Opel possui em alguns países. A marca alemã pode ser uma opção em mercados onde a Peugeot e a Citroën não tem grande penetração. Hoje, a Opel praticamente não tem uma atuação global por conta da estratégia da GM de priorizar a Chevrolet.

 
 
Opel Zafira 2017
 
Opel Zafira 2017
Opel Zafira 2017
Opel Mokka 2017
 
Opel Mokka 2017
Opel Mokka 2017
Opel Insignia 2017
 
Opel Insignia 2017
Opel Insignia 2017
Opel Corsa 2017
 
Opel Corsa 2017
Opel Corsa 2017
Opel Astra 2017
 
Opel Astra 2017
Opel Astra 2017
 
 

Astra e Corsa de volta ao Brasil?

É cedo para tirar conclusões, mas a venda da Opel e da Vauxhall para a PSA pode fazer o brasileiro sonhar em rever alguns modelos que saíram de cena em nosso país. Até há poucos anos, a base do portfólio da Chevrolet no Brasil era fornecido pela Opel, mas com o custo elevado dessas plataformas, a GM optou por produzir veículos mais simples e globais.

Embora a gestação dessa mudança de comando vá levar alguns anos, não deixa de ser algo palpável imaginar que a PSA resolva lançar no Brasil a marca Opel. Com Peugeot e Citroën perdendo enorme espaço na preferência do consumidor rever por aqui modelos como o Corsa, Zafira e o próprio Astra talvez seja um sonho possível num futuro não tão distante.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/