A Volvo Cars é uma marca que sempre esteve sob a guarda de alguém. Primeiro nas mãos do conglomerado Volvo, com atuação mais focada em caminhões e ônibus. Depois passou a ser parte do PAG, o grupo de marcas premium da Ford até ser vendida para a chinesa Geely. O que parecia ser um passo atrás tem se mostrado o contrário: nunca na sua história, a Volvo teve tanta liberdade para criar veículos do seu jeito e o resultado começa a ser sentido não só no mundo, mas no Brasil, onde a marca figura na 19ª posição nas vendas, à frente de rivais com fábrica no país.

“Os acionistas entenderam que a melhor coisa para a Volvo é deixá-la fazer o que sabe fazer”, explicou Leandro Teixeira, diretor de marketing da empresa no Brasil. Sem exageros, é fácil comprovar essa tese a bordo do XC90, segunda geração do SUV de luxo que foi lançada há um ano e hoje já vende quase tanto os líderes GLE e X5, das alemãs Mercedes-Benz e BMW.

Faltava, no entanto, uma versão com motor turbodiesel, que responde por metade das vendas desse segmento, o que a Volvo acaba de fazer. Com isso, o XC90 passa a ter quatro versões, duas com cada combustível e nível de acabamento, a Momentum e a mais equipada Inscription.

Com esse portfólio, a expectativa é vender cerca de 700 unidades no ano que vem (este ano foram 399 até novembro), número que significaria hoje a liderança do mercado. Nada mal para uma marca que possui uma rede menor que a dos concorrentes (28) e que investe num estilo mais clássico que eles. E talvez esteja aí a magia do XC90.

Dentro da Ópera de Gotemburgo

A nova geração do XC90, a primeira projetada 100% pela Volvo, muda muitos conceitos antigos que existiam na marca. Em vez de enormes botões (necessários nos tempos em que os escandinavos eram obrigados a dirigir de luvas) um painel minimalista e organizado. No lugar da pesada direção hidráulica do XC60 um volante leve e direto com atuação elétrica. Não esqueço dos dias que passei com a primeira geração do XC90 há mais de uma década. Era um carro imponente, porém, pesado de dirigir, daqueles que se movimentam mais do que você deseja em frenagens e curvas.

O novo XC90 não tem nada do seu antecessor. É um veículo ágil e preciso na direção. Uma das razões é uma sacada simples da Volvo para eliminar o turbo lag do motor diesel, batizado de PowerPulse. Um cilindro de ar comprimido está sempre de prontidão para encher a turbina de baixa rotação do motor e assim mantê-la em pleno funcionamento. O resultado é um carro com respostas imediatas do seu propulsor 2.0 de 238 cv e 40,8 kgfm de torque.

A suspensão independente (com sistema pneumático na versão Inscription) é um primor no ajuste, mantendo o imenso veículo de mais de duas toneladas sempre sob controle além de um rodar extremamente silencioso.

Por falar em silêncio, o interior do XC90, mesmo na versão diesel, é de um bom gosto que há muito tempo não via. Sem excesso de cromados, o acabamento utiliza uma mistura de couro com partes metálicas (reais) e agora detalhes em madeira em algumas versões (novamente, não se trata de plástico com textura que imita madeira).

 
 
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
Volvo XC90 2017
Volvo XC90 2017
 
 

A versão Inscription conta com um sistema de som da marca inglesa Bowers & Wilkins que conta com 19 alto-falantes. A qualidade é tão elevada que os engenheiros se deram ao trabalho de criar um ajuste que imita a sensação da Ópera de Gotemburgo (onde a orquestra sinfônica da cidade se apresenta). O problema é que tanta pureza pode nos fazer esquecer dos limites de velocidade...

Tablet da Volvo

Pela novidade do projeto era de se esperar que o XC90 adotasse tecnologias em alta hoje como o painel de instrumentos todo digital (ele tem), sistema Start-Stop (também) e assistente de estacionamento (que para o veículo em vagas paralelas e perpendiculares) e visor ao nível dos olhos, mas é a central multimídia que me chamou a atenção.

Com disposição vertical e nove polegadas, a Sensus Navigation Pro parece um tablet de uma parceria com uma gigante como Apple ou Samsung mas foi desenvolvida pela própria Volvo. Ela concentra a maior parte das funções a bordo e é extremamente simples e fácil de ser usada como para ajustar a temperatura do ar-condicionado individual – algo feito com apenas dois toques na tela.

Claro que o XC90 não é uma obra perfeita como, aliás, nenhum carro é. O botão de partida, por exemplo, é pouco intuitivo (é preciso girar um botão para a direita para ligar e para esquerda para desligar). Falta também os paddle-shifts para uma condução mais esportiva e direta do câmbio de oito marchas.

Já o sistema de condução semi-autônoma, batizado de Pilot Assist, chegou à segunda geração devendo um pouco. Segundo a Volvo, é o único SUV de luxo com esse recurso, que mantém o XC90 numa distância constante do veículo que segue à frente e também faz curvas seguindo as marcações das pistas, tudo isso por meio de um conjunto de câmeras e sensores instalados em várias partes dele.

Quanto ao controle de cruzeiro adaptativo, só elogios: ele tem uma atuação suave mesmo quando carros entram na sua frente de forma inesperada. Já o trabalho do volante em modo automático não passa tanta segurança que cumprirá sua tarefa. É claro que a Volvo certamente argumentará que o XC90 não pode ter um sistema autônomo, é preciso que o motorista esteja no controle do volante, mas alguns concorrentes fazem isso sem problemas.

Em compensação, a tradição de segurança da marca é vista em vários aspectos incluindo o City Safety, um recurso que freia o veículo totalmente em velocidades de até 50 km/h ou no sensor de colisão traseira que aciona o pisca-alerta ao perceber um choque iminente, além de tensionar o cinto de segurança dos ocupantes.

Preço atraente

Em tempos em que o status é tão valorizado, sobretudo no Brasil, onde muita gente compra um automóvel com o intuito de mostrar isso ao vizinho, a Volvo segue uma direção alternativa. A marca tem ciência de que existe um público bem-sucedido que busca um bom produto mas não quer chamar a atenção por isso.

É esse perfil que tem sido atraído para a marca, que vem crescendo no país nos últimos anos. Nesse contexto, o XC90 é uma opção moderna, confortável e de extremo bom gosto para quem precisa de um SUV familiar, capaz de levar sete pessoas a bordo (a última fileira leva dois adultos com até 1,7 m com bom espaço), mas sem parar o trânsito por onde passa. O estilo externo, discreto, agrada pelos belos faróis com luzes diurnas em formato de martelo, e pelas lanternas que acompanham o perfil da carroceria.

Com a versão diesel, o XC90 pode virar um carro até mais comum nas ruas de algumas regiões do país até porque a Volvo lançou o SUV com preço promocional – R$ 369.950 na versão Momentum e R$ 419.950 na versão Inscription (que traz como diferencial teto solar panorâmico, rodas aro 20 contra aro 19, sistema de som Bowers & Wilkins e suspensão pneumática).

Na prática, a diferença para o modelo a gasolina está entre R$ 16 mil e R$ 23 mil quando normalmente fica acima de R$ 40 mil. Ou seja, não deve demorar para que o XC90 diesel suma das lojas.

Ficha técnica

Volvo XC90 2017 D5 Inscription 2.0 16V diesel automático integral 4p
Preço R$ 419.950 (05/2017)
Categoria SUV grande
Vendas em 2017 420 unidades
Motor 4 cilindros, 1969 cm³
Potência 238 cv a 4000 rpm (diesel)
Torque 48,9 kgfm a 1750 rpm
Dimensões Comprimento 4,95 m, largura 2,008 m, altura 1,776 m, entreeixos 2,984 m
Peso em ordem de marcha 2171 kg
Tanque de combustível 71 litros
Porta-malas 451 litros
Veja ficha completa

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |