A Citroën sempre foi uma marca antenada em tendências. Soube incorporar em seus carros sacadas que mais tarde acabaram tornando-se padrão no mercado. Foi o caso do C3, compacto que ela lançou no Brasil em 2003.

Com suas linhas curvas, o hatch estreou sem ter uma versão com motor 1.0, ao contrário do Peugeot 206, seu primo na época. A ideia era óbvia: se eu vendo um compacto premium ele não deve ser popular. E assim o carrinho, um tanto apertado mas inconfundível, virou figurinha fácil nas ruas por vários anos.

No começo desta década, a marca francesa trouxe uma segunda geração do modelo que veio acompanhada dos seus primeiros derivados, o Aircross e o C3 Picasso, mais tarde fundidos numa única proposta. Aliás, o Aircross chegou antes, afinal a Citroën já estava de olho no potencial dos aventureiros.

Quanto ao C3, a segunda geração desembarcou no Brasil no segundo semestre de 2012 trazendo uma revisão da carroceria curva, agora mais suave para corrigir o ponto fraco do modelo, o espaço interno modesto.

Painel com design moderno, central multimídia integrada, uma raridade na época, ar-condicionado digital e o para-brisa Zenith, misto de teto solar que se expandia com um pequeno puxão na alavanca.

Em melhor situação que a Peugeot, a Citroën teve uma recepção razoável nas concessionárias e, à medida que novos concorrentes chegaram, o C3 foi perdendo interessados com o tempo. Mas e como está hoje o compacto? AUTOO foi atrás da versão Tendance que estreou o motor 1.2 Puretech, também usado pelo Peugeot 208.

Cinco anos passaram rápido

Voltar a ter contato com o C3 depois de muito tempo é notar que o projeto envelheceu e rápido. O interior descolado hoje soa passado. Como não teve uma reestilização assim como o Aircross, o hatch parece ter algo faltando.

A central multimídia, embora seja sensível ao toque, não tem a interface bacana do 208 e ainda tem comandos físicos na parte inferior do console. O volante, com diâmetro muito grande (outro contraste com o Peugeot) continua imprecisa embora seja elétrica. E câmbio manual e suspensão não evoluíram, ou seja, continuam duros.

Não atire a primeira pedra

Como é o mesmo carro de 2012 o espaço interno continua ‘enxuto’. Isso quer dizer que viajam no banco de trás pessoas com estatura baixa porque gente mais alta vai sentir o aperto. Em compensação, o porta-malas está na média, com 300 litros.

Com esse pacote, o motor 1.2 de 3 cilindros vira um estranho no ninho. Muito eficiente, o propulsor consegue repetir o bom desempenho, seja na agilidade superior a de populares, seja na economia – ele consegue rodar 16,6 km com um litro de gasolina na estrada, por exemplo.

Na nossa experiência com ele, conseguimos uma média de 12 km com um litro de gasolina em situação variada e sem sermos muito econômicos. Mas é mérito do motor e não do carro já que o 208 consegue ser ainda mais econômico.

O problema em si é que o C3 deveria ser mais barato que o Peugeot, mas não é. Custava R$ 55.090 em abril de 2017, mas para contar com a central multimídia e o ar-condicionado digital o valor subia para R$ 58.330. Por menos que isso você leva o 208 com ar de duas zonas e uma dirigibilidade e modernidade (quantos idades!) muito superior.

Até mesmo o diferencial do carro pode ser um tiro pela culatra. O para-brisa Zenith, exclusividade da Citroën, tem que ser tratado com muito carinho e figa nos dedos porque seu custo de reparação é proibitivo. Em lojas especializadas, ele custa cerca de R$ 3 mil contra R$ 400 de modelos concorrentes. É para ter medo de uma simples pedrinha no caminho...

Marcando passo

Até onde sabemos, a Citroën não prepara nenhuma mudança significativa para o C3. Seu sucessor deve passar a ser fabricado na Argentina, mas isso apenas em 2019. Até lá, o modelo só valerá a pena se a marca resolver vendê-lo por um preço mais em conta, mesmo com o ótimo motor Puretech.

 
 
Citroën C3 2017
 
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
 
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
 
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
 
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
 
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
 
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
 
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
 
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
 
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
 
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
 
Citroën C3 2017
Citroën C3 2017
 
 

Ficha técnica

Citroën C3 2017 Tendance PureTech 1.2 12V flex manual 4p
Preço R$ 55.090 (03/2017)
Categoria Hatch compacto
Vendas em 2017 2.237 unidades
Motor 3 cilindros, 1199 cm³
Potência 84 cv a 5750 rpm (gasolina)
Torque 12,2 kgfm a 2750 rpm
Dimensões Comprimento 3,944 m, largura 1,708 m, altura 1,521 m, entreeixos 2,46 m
Peso em ordem de marcha 1110 kg
Tanque de combustível 55 litros
Porta-malas 300 litros
Veja ficha completa

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |